Cidades Inteligentes

Audi testa ‘Onda Verde’, tecnologia que a DATAPROM já disponibiliza

A tecnologia que torna as viagens mais eficientes está sendo testada pela montadora alemã, mas ela já é realidade em sistemas de BRT no Brasil com soluções da DATAPROM

Montadoras no mundo inteiro têm testado há alguns anos a tecnologia de comunicação da infraestrutura viária com seus veículos. O objetivo é que eles aproveitem a chamada “onda verde”, tornando as viagens mais confortáveis a partir de uma velocidade média constante. Essa solução, entretanto, já é oferecida pela DATAPROM para desafogar o trânsito. Ela também é aplicada em nossos projetos para a priorização do transporte coletivo.

A Audi é uma dessas montadoras. O ‘green wave’ é testado pela montadora alemã em cerca de 10 mil cruzamentos nos Estados Unidos e em cidades da Alemanha, como Ingolstadt, onde fica sua sede, e Düsseldorf.

Os veículos produzidos pela montadora alemã veem equipados com a função ‘Audi Traffic Light Information’, que recebe os dados dos controladores semafóricos. No painel do automóvel, o motorista recebe a informação sobre a qual velocidade deve trafegar para chegar ao próximo semáforo na condição de verde.

A Audi entende que torna menos estressante e mais confortável o ato de dirigir se reduzir a necessidade de desaceleração e aceleração. Além disso, segundo Andre Hainzlmaier, chefe de desenvolvimento de serviços conectados da empresa, o sistema contribui com o meio ambiente.

 “Estudos dizem que o consumo de combustível pode ser reduzido em até 10% com esse sistema”, argumenta.

Outras montadoras, como a Honda, também têm estudos semelhantes. A montadora japonesa, entretanto, testa junto com a Verizon a comunicação da infraestrutura com veículos, o chamado V2X, a partir da a ampliação do fornecimento de sinal de conexão 5G.

Onda Verde da DATAPROM

A DATAPROM implanta sistemas de comunicação da infraestrutura viária que criam a chamada “onda verde”. Esses sistemas calculam a distância entre os veículos de forma que, em velocidade média, eles possam trafegar sem interrupções. Mas também são utilizados para priorizar o transporte coletivo.

Mais do que enviar a informação da velocidade média para “pegar” o semáforo em verde, como no caso dos veículos da Audi, nosso sistema altera o ciclo semafórico automaticamente a partir de informações enviadas por sensores quando o ônibus se aproxima do cruzamento.

Em média, o tempo de verde pode ser estendido de 1s a 15s. Se o estágio semafórico estiver em amarelo ou vermelho, um percentual de redução desse tempo é pré-programado para que o veículo fique menos tempo parado.

A condição de atraso ou adiantamento do BRT é avaliada pelo software em cada viagem. Uma configuração bem ajustada permite que o veículo passe os cruzamentos semaforizados sem parar. Se o BRT estiver adiantado, o controlador semafórico deixa de fazer a prioridade para o veículo se ajustar à tabela de horário.

Em Curitiba, por exemplo, a priorização semafórica chegou a ser instalada nos eixos das oito linhas de BRT da cidade. Atualmente, o biarticulado tem preferência de passagem em mais de 70 cruzamentos da cidade. Essa tecnologia traz previsibilidade à operação do sistema, o que também ajuda a reduzir custos, baratear a tarifa e atrair mais passageiros ao sistema.

O que você achou deste conteúdo?

Clique nas estrelas

Média da classificação 4.8 / 5. Número de votos: 11

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.